Meditação na escola

Autora: Ana Cristina Martins Silva (Escola Secundária Poeta António Aleixo)

Resumo:

Como a escola não vive independente da sociedade em que se insere, encontramos nela analogias das situações sociais que, em jovens em “construção”, em busca da sua própria individualidade, conduzem a situações/casos que nos inquietam. A falta de atenção/concentração, a indisciplina, a falta de respeito pelo outro e por si próprio, a vitimização, a ansiedade, a depressão são algumas das problemáticas com que nos deparamos nas escolas, e a inquietação de TODOS.
Através da prática da meditação poder-se-á chegar ao desenvolvimento da atenção e da consciência plena, da serenidade e da calma em nós, aliviando o stress.
Cientes do exposto partimos para a prática. Numa turma de um curso profissional da Escola Secundária Poeta António Aleixo, sentimos que era a altura de incrementar outras estratégias conducentes ao desenvolvimento destes vinte e oito jovens “inquietos”. Durante três semanas, no início da aula de Português, os alunos foram “convidados” a: parar, ouvir, respirar e sentir. Através do relaxamento, do aperfeiçoamento da atenção e da introspecção, evidenciaram mais calma e concentração, bem como diminuição da ansiedade e mais motivação para as actividades lectivas. Demonstraram mais alegria e capacidade de interagir no grupo turma, bem como uma maior empatia e capacidade de controlar as suas emoções, o grupo turma ficou mais coeso. Esta pequena experiência fez-nos concluir que a meditação produz bem estar e traz benefícios para a saúde física e emocional.
Esta motivação é a razão que nos leva a acreditar que há caminho a percorrer porque “a razão última da meditação é a pessoa transformar-se para melhor transformar o mundo, ou tornar-se um ser humano melhor para servir os outros. A meditação permite dar à vida o seu sentido mais nobre.” (Matthieu Ricard, “A arte da Meditação”).